quinta-feira, 11 de outubro de 2012

AGARRANDO AS OPORTUNIDADES



Dois meses depois de chegar em Itacoatiara, eu ainda garoto estava com muitas saudades de minha terra natal, em especial das tias e minha avó que sempre foram mais presentes em minha criação que meu velho (o que não era muito difícil) considerando o que ele era.
Era um verdadeiro estranho no ninho, em minha nova escola o Vital de Mendonça havia grupinhos de gente fraca demais para encarar sem ajuda a vida que se denominavam galeras. 
Primeiro dia de aula chega e eu me acomodo bem no meio daquelas pessoas estranhas, todos me observam e pressionado sinto uma tristeza profunda, diferente de minha pequena Benjamin Constant onde era bem conhecido por todos Itacoatiara era uma terra estranha, de repente lagrimas caem de meus olhos e CHORO.
...
Eu sei bem...FRACO...vai pode falar...só não vale apontar o dedo. Continuando...
 A professora interrompe a aula e me coloca para fora tentando me acalmaras lagrimas passam tenso volto vermelho para a sala de aula ainda mais observada. Toca o sinal do intervalo para minha surpresa ninguém “HOMEM” tenta falar comigo apenas observam, (pausa para explicar, na minha terra natal eu tinha praticamente um “clube do Bolinha França” onde os meninos se reuniam para fazer coisas de menino) para minha surpresa quem tentou falar comigo em Itacoatiara eram as meninas e eu... era... como vamos dizer... acreditem ou não houve uma época que eu era INEXPERIENTE.


 AH... BONS TEMPOS...BONS TEMPOS

Elas eram gentis e eu ainda não via as mulheres como vejo hoje em dia, porem havia aqueles que viam e não gostaram nada disso, dentre eles o maior bully do lugar um sujeito alto, cabelo castanho, rosto rude e esportista. E assim foi... eu falando com as meninas sendo alvo do ódio dos caras, tive também que lidar com dificuldades de estudo em algumas matérias, mas logo fiz alguns amigos que tenho ate hoje.
Ate o dia em que participando de uma brincadeira “inocente” chamada MÃO NO BOLSO (CASTANHA ou MÃO NEGRA em alguns lugares) no intervalo piso no pé do bully em questão ai acabo sendo empurrado contra a parede (literalmente), o cara estava me enforcando pela gola da camisa me chamando de doido apelido esse que depois desse episodio pegou mesmo, aproveitando a situação e proximidade do cara dei um chute no saco (golpe padrão numero um de todo Regionalta aplicado mesmo se for em  um alien que não tenha pernas ou um slime de Alpha Centauri) que se inclinou em dor agarrando seu brinquedo, como eu era menor sabia que não duraria em combate então pensei.
Não posso deixar isso virar uma luta de maneira nenhuma! A cena era  mais ou menos essa so que eu estava por trás e borrando de medo.


 PRA VOCÊS VEREM COMO EU ERA INOCENTE AQUILO JÁ ERA UMA BRIGA!

Aproveitei para subir nas costas do cara que cedeu com meu peso se apoiando com o joelho no chão, uma vez em cima estilo cavalinho prendi usando as pernas enquanto socava o rosto do infeliz, depois de 7 socos de criança (diria ate de menina pois não tinha treino algum) ele começou a descer e eu fui junto me segurando como um louco para evitar a reação do cara estilo lutador de MMA em solo.
Resultado, depois de 5 minutos o vigilante apartou a briga e fomos à secretaria onde peguei um dia de suspensão, para meu horror descobri que depois daquilo todos ficaram com medo de mim me chamando de doido, quanto ao outro cara ele fora mandado para um reformatório na estrada e nunca mais o vi e espero que fique assim afinal sou um Regionalta e vivo sob o código de que:

 SE ME ATACOU A LUTA É ATE A MORTE!