terça-feira, 12 de março de 2013

DOSSIÊ LARRY #06




Numa tarde chuvosa os estudantes se dirigiam a escola com guarda chuva, todos eles caminhavam lentamente tentando não se molhar muito. Em cima da calçada um deles caminhava cabisbaixo pensando nas palavras da noite anterior quando discutira com um amigo próximo.

Larry: ...
Darkeholy: Como assim não faremos nada?!
Larry: Dependendo da natureza os espers precisam obter uma fonte de energia para manterem sua existência no nosso mundo, em outras palavras todas as crianças, sem duvidas elas já estão mortas.
Darkeholy: Você nem quer tentar? Elas podem...
Larry: Acha que isso é como nos jogos rapaz? Acha que vai dar tudo certo no final?! Que piada! Nessa guerra é matar ou morrer, só vamos nos revelar quando for absolutamente necessário.

A partir dali o esper se calou e não falou com nele nem pela manhã durante a sessão de treinamento, o jovem tentou acessar o lugar escuro de sua mente sem sucesso. Horas depois uma nuvem negra caia sobre a cidade tranzendo a chuva, começava mais um dia na escola e todos os alunos entravam nas salas.
Lucile chega em sua carteira e encontra seu amigo pensativo na dele e pergunta:

Lucile: Você esta bem?
Darkeholy: Sim,por quê?
Lucile: Você não soube, o Edmund pegou tétano de um prego que arranhou os braços dele e ta mal ate agora. Por onde você esteve?
Darkeholy: Resolvendo uns assuntos...
Lucile: Sei... Cuidado os amigos dele estão de olho em você, se quiser te acompanho ate sua casa depois da aula.

Por mais que se sentisse ofendido com a proposta era tentadora, afinal mesmo sendo uma menina o tapa de Lucile era famoso e temido por muita gente. Já que oficialmente estava tudo normal ele aceitou sem questionar, assim o dia termina junto com as aulas bastante calmo apesar de tudo. 
O jovem pensava nas palavras de Larry olhando as gotas de chuva na janela envolto numa serie de duvidas distintas das que um adolescente enfrenta.

"Esse poder que possuo hoje pode mesmo me tornar um herói? Há espaço nesse mundo para um herói? Se eu ficar forte poderei mesmo proteger aqueles que amo, ou ainda me proteger... Será esse o preço pelo poder?"

Ouvindo tudo aquilo Larry ficava quieto meditando naquele espaço escuro e cheio de duvidas, ao redor com tons em cinza e fundo azulado em reflexo aos sentimentos do hospedeiro. A aula termina e os dois jovens seguem em direção a suas casas, Lucile falava com o rapaz de coisas mundanas dos jovens, ele fingia dar atenção apenas respondendo com a cabeça, não demorou muito ate ela perceber que estava sendo ignorada.

PAF!

Darkeholy: Ai, que ideia é essa?!
Lucile: Eu que pergunto, pois todos sabem que uma mulher ignorada fica furiosa.
Darkeholy: Desculpe-me... Estou meio desligado esses tempos.
Lucile: Tem algum problema? Eu posso ajudar?

Por um momento ele quis desabafar com alguém, mas por via das duvidas resolveu guardar para si seu segredo, com a mão esquerda ele apenas tocou no ombro da amiga e disse.

Darkeholy:Nada, não se preocupe esta tudo bem.

Ele se despede dela no portão e fecha a porta da casa indo direto para o quarto, no banheiro ele liga uma ducha e relaxa, sem perceber ele afunda na escuridão e Larry o espera próximo a uma mesa materializada na zona escura de sua mente.

Larry: Vamos nos acertar de uma vez.
Darkeholy: Espere, deixa eu falar, eu acho que lhe devo desculpas...

O esper que estava parado se acomoda no assento vendo o hospedeiro, a coloração da paisagem mudava lentamente do negro e cinza para um tom levemente esverdeado.

Darkeholy: Eu me empolguei...desculpe é que tudo isso foi demais para mim. Essas descobertas, você, eu...
Larry: Entendo, não posso te culpar por querer ajudar afinal as outras pessoas não podem fazer muito contra algo que não conhecem.
Darkeholy: Juro que ficarei mais forte conforme combinamos, chega de perder tempo com mitos.
Larry: Não acho que dessa vez é diferente, vamos visitar de novo aquele site e ver mais alguns detalhes sinto que logo algo grande vai acontecer.
Darkeholy: Pressentimento?

Longe dali um jovem estudante era cercado por 3 bullys num terreno baldio, eles o chutavam de todas as direções dizendo:
-Retardado! Maluco!
Um deles maior que os demais diz:

-Esse idiota ainda lê essas revistas de criança!

Um deles pega a bolsa do estudante e arranca uma revista em quadrinhos cujo o título era “O Ninja  de Ferro” e a rasga em duas. O estudante furioso com a cena esboça uma reação se jogando em cima de um deles recebendo um chute no estomago imediato que o faz perder os sentidos no solo.
Tudo ao redor do jovem se escurece ficando apenas o som do vento em sua mente, e aos poucos palavras surgem levemente como sussurros que aos iam se tornando nítidos e então ele ouve...

-Você ...quer...poder?

Ele ouve aquela frase mais três vezes ate sentir um lampejo de força correr todo seu corpo, o rapaz pisca e se vê em pé no meio de uma floresta cercado por arvores, o vento derrubava a folhagem formando uma chuva que caia de maneira lenta e majestosa.


Admirado com a cena ele ouve novamente a voz vinda de varias direções se aproximando, como se algo o espreitasse se movimentando em uma velocidade impressionante.

-Você quer poder?
???:Quem esta ai? Onde eu estou? - Diz confuso o rapaz
-Você quer ser alguém que não manda em seu destino, que esta sempre perdido e indefeso?

O rapaz fica mudo com uma expressão raivosa e cabeça baixa e a voz continua.

-Ou que poder para guiar o rumo de sua vida, ter a força para sair daqui com a cabeça levantada?

O jovem levanta o rosto e encara ferozmente a floresta, ele vê um vulto que segue em sua direção rapidamente e mergulha no peito dele fazendo o despertar no terreno baldio.
Os bullys reviravam sua carteira buscando dinheiro sem notar que atrás deles o rapaz se erguia furioso, um deles e surpreendido por um chute nas costas, o segundo vira o rosto apenas para ser socado com uma mão fechada que afunda em sua boca.

O terceiro com a carteira esboça uma reação tentando ganhar distancia pulando, mas uma mão o agarra e o puxa pra baixo e ele cai no solo de joelhos, o adolescente surpreso vê sua vitima o encarando. Ele se joga em direção a cintura para o jogar no chão e recebe um chute na cara que arrebenta seu nariz, os outros dois vêem seu líder caído e fogem.
Irritado o bully se levanta com o rosto sujo de sangue e ataca novamente com um soco apenas para ver ele ser desviado com a mão e depois cair desmaiado com um chute no estomago.
O vento sopra e a imagem de um ninja surge em sua frente, ele nunca o havia visto ate aquele momento, seu rosto era completamente coberto e usava uma traje negro que permitia ver apenas os olhos dele.


Perto dali um homem vestido de preto observava tudo com um binoculo, ele puxa um celular do bolso discando um numero e fala ao telefone:

-ASSINATURA ESPER ENCONTRADA!