quarta-feira, 13 de março de 2013

JOBs! JOBs! E MAIS JOBs!

O que seriam dos MMORPGs ou até mesmo dos RPGs Single Players sem as JOBs? Alguns dos maiores jogos do estilo na categoria CRÁSSICO são bem específicos quando se trata de clásses, profissões... Tanto faz. Um exemplo básico é o Final Fantasy III, lançado somente para Famicom (eu adorava o Black Mage!!!)


Poucas JOBs, mas comparadas ao primeiro episódio da saga, eram uma infinidade!


Ou o épico Dungeon & Dragons do Sega Gênesis!


É claro que com o tempo, a parada toda foi evoluindo, a net foi ficando popular e com isso foram surgindo os venerados MMORPGs. Dai a poha toda ficou séria, primeiro com o Tíbia. Ela limitou 4 classes básicas para o jogador, mas colocou a disposição uma porrada de outfits para a distinção dos personagens (na minha opinião: uma forma de JOB, mas sem o papel real entende?!)

Depois, Ragnarok chegou arregaçando a vida da garotada!!! Suas JOBs são tão definidas que até as roupas devem ser padrão para todos que a representarem.


Mas ninguém supera o viciante e destruidor de vida social mais poderoso da NET: World of Warcraft! Ah sim, ele não só definiu suas JOBs como ainda criaram profissões secundárias para ajudar o jogador a viver naquele mundão gigantesco.



Éh, você pode ser um guerreiro (Warrior, JOB principal), mas também pode fazer elicopteros e motos para vender nas horas vagas (Engineer, JOB secundária).


Agora sim Rochelle, pode dizer: "MEU MARIDO TEM DOIS EMPREGOS!"


Enfim... Quando se trata de JOBs, alguns RPGs são bem criativos e até mesmo realistas, mas sempre serão necessários para que nós, RPGistas exigentes, possamos criar uma jogabilidade que combine conosco não é verdade? Afinal, RPG é isso!!!