sábado, 13 de julho de 2013

DOSSIÊ LARRY #08


No ultimo episodio vemos um evento num beco onde um jovem solitário salvara um velho de um grupo de três criminosos, ao deixar o local do crime ele se depara com dois tipos desconhecidos em frente a sua casa o aguardando.

???: Você é Sandro?
Sandro: Sim...hum...o que querem comigo?
???: Tem haver com o que aconteceu naquele beco minutos atrás.
Ele soa frio preocupado com aquelas palavras bastante diretas com relação ao evento.
Sandro: Vocês são amigos daqueles caras? – Ficando em posição defensiva.
???: Ha há aha...Fala daqueles três lixos que você matou? Não amigo relaxe.

Uma gota de suor corre o rosto do rapaz e em seguida outra acompanhada de um tremor nas pernas, com a voz gaguejante ele prosegue.

Sandro: Matei? Como assim matei?! Foram só umas porradinhas!
???:Hum... Acho melhor não tratar disso aqui,podemos entrar?
Sandro olha ao redor e vê seus vizinhos saindo de casa e observando sua estranha reação, assustado ele não percebe uma jovem voltando da escola que passa próximo a costa dele ate ela falar com uma amiga. Com medo que mais alguém descobrisse a respeito da confusão concorda em receber em seu apartamento os dois visitantes.

O trio segue e entrar na sala se acomodando pacificamente no sofá, Sandro se senta frente a eles e pergunta.

Sandro: Tudo bem...tudo bem...o que é  tudo isso, uma chantagem ou ameaça?
O garoto gargalha como se ouvisse uma piada bem contada e olha para sua parceira, a jovem tira das costas uma bolsa de onde remove uma sacola de papel de super mercado e fala:
???: Não se assuste certo? Isso não é bem o que parece.

Ela remove o papel e exibe para o rapaz uma cabeça humana, numa reação de surpresa ele
joga o corpo para traz caindo de costas no chão por cima do sofá.

???: HÁ HÁHÁ! Olha Daniele que comedia, sabia que a reação dele seria essa!
Daniele: Não vejo graça nenhuma, olha não precisa se assustar foi idéia do Raul trazer ela pra você ver, ta tudo bem relaxe.
Sandro: Tem a porra duma cabeça cortada na minha sala e não quer me ver assustado?
Raul: Relaxa cara...veja ela nem é humana!
Sandro: Hum...não...não é humana?

O jovem após ouvir isso lentamente se aproxima e toca com uma das mãos a cabeça, seus dedos afundam num liquido preto grudento parecido com óleo. Menos assustado ele vira o membro decepado observando o corte no lugar do pescoço e acaba notando fios que se aprofundavam nele misturados a carne com cartilagens.

Raul: Viu? Bem maneiro né?
Sandro: O...o que está acontecendo?  Que merda é essa?
Daniele: Hum...precisamos da sua ajuda, tem um amigo nosso que precisa de você.
Sandro: Ajuda?  De quem você está falando?
Raul: Conta pra ele Daniele, fala sobre os espers.

Colégio Imaculada Conceição – 3 da tarde.

Um aluno observa a janela em meio a uma aula de história, ele vê outros iguais a ele praticando esportes na quadra, o sinal toca e todos os estudantes saem pelo portão da frente acabando assim mais um dia escolar. Darkeholy caminha calmamente lendo um livro  sozinho ate a chegada de uma bela garota que chega o abraçando repentinamente.

Darkeholy: Você demorou, pensei que não viria mais.
????: Obrigada e valeu por me esperar.
Dakeholy: Relaxa Joana sabe que eu jamais faria isso com uma amiga.

Os dois seguem em direção a casa passando pelo caminho que ele e sua amiga de infância costumavam caminhar juntos antigamente, conversando sobre a aula e preocupações da adolescência. A cena parecia romântica dessas que se vê em filmes e series  adolescentes ate ele pensar consigo:

“Quanto tempo faz desde que Larry partiu, droga por quanto tempo mais terei que fingir?”

A jovem o agarra no ombro deixando os seios firmes roçarem no braço, seus olhos o fitam de cima abaixo. De repente a imagem vista por eles se altera exibindo a aura dele e das pessoas a sua volta, sorrindo para ele a jovem pensa:



"Hi hi hi...você joga bem, aprendeu a disfarçar bastante sua aura mas em alguma ocasião terá que usar ela e quando isso acontecer sua existência será devorada"


Longe dali de volta à casa de Sandro as duas figuras misteriosas terminam sua conversa com o seu anfitrião que apenas escutava.

Sandro: Vocês estão dizendo que tem alguém cultivando esses tais espers dentro das pessoas dessa cidade?
Raul: Isso, entendeu direitinho
Daniele: Sim, você entende as coisas bem rápido.
Sandro: E que um esper...esse tal Larry que esta desaparecido que mandou vocês aqui para me observarem?
Raul: Garoto esperto entendeu tudinho.
O jovem obeso faz uma breve pausa e bate com força na mesa gritando em seguida:
Sandro: Isso é alguma pegadinha,  quem  mandou vocês?!  Aposto que foi o pessoal do time de futebol querendo me zoar de novo!
Daniele: Não, nos apenas...
Raul: Esse gordo é um caso perdido mesmo, estamos perdendo tempo com ele!
Sandro: Se essa história é verdadeira eu quero ver esses tais espers que tanto vocês falam!
Daniele: E perigoso será que não entendeu? Já tem um prova bem em cima da mesa.
Raul: Para alguém com poder de crença tão amplo você é bem racional hein...uma pena.
Sandro: Vocês vêem ate a minha casa me acusando de ter assassinado uma pessoa, contam uma historia ridícula digna de quadrinhos e querem credito? AH! Façam me o...

Antes que pudesse terminar a frase os olhos de Raul brilham num tom azulado e de suas costas surge um ser robusto de aparência agressiva vestindo um casaco preto e óculos escuros com barba e cigarros, os cabelos eram brancos e a pele era cinza.

Sandro:...o...que...como...?!
Raul: Sandro esse é o meu esper seu nome é Mercenary muito maneiro não é?
Daniele: Chega Raul temos que ser discretos assim vão acabar nos achando.

A aparição some como se entrasse no corpo de Raul ficando transparente ate desaparecer rapidamente, ao testemunhar aquilo Sandro se afunda no sofá da sala tentando racionalizar tudo aquilo.

Raul: Pronto para ver a verdade? – estendendo a mão para o rapaz caído sorrindo cinicamente.