domingo, 22 de junho de 2014

JOGANDO COM O CEREBRO



A finalidade de um jogo é dada pelo jogador, seja como escape, relaxamento ou simples casualidade o game infelizmente é para muitos uma coisa que não produz nada,  eles tem a diversão mas fisicamente no nosso mundo ela não conta porem existe o fato inegável que ele é uma experiência. Sendo assim da mesma forma que no mundo existe a integração com objetos, locais e pessoas programadas como atividades do game. 


 VAMOS JOGAR? VAI SER...NÃO...VAI NÃO...

Isso gera lembranças reais mesmo que a meta inicial seja interagir com algo irreal, assim como no Hobbit ou o fim de uma viagem ao interior as lembranças que carregamos no final são o que nos confortam terminada a experiência toda. Como tudo que vivemos é um aprendizado determinar quais delas são educacionais ou não acaba  gerando o choque inicial que todos temos quando encontramos o "educacional" estampado na caixa. 


EM FF6 VIMOS QUE TEM COISAS QUE DEVEMOS DEIXAR QUIETO

Sendo esse tipo especifico de software voltado a desenvolver alguma caracteristica através de padrões ou informações contidas neles os mesmos possuem comportamentos lúdicos ate certo nível sem perder o foco inicial de seres um game. Seja qual for a mídia do seu agrado você deve sempre deixar um espaço para ela em sua mente, sabe se entregar a proposta dele. Mas o jogo educativo possui alem dessa entrega a necessidade de se executar uma sequência pré determinada para uma tarefa já estabelecida que é o aprendizado. 


TYPING HOKUTO NO KEN PRA MELHORAR A DESTREZA E A VIRILIDADE


Costumamos pensar que jogar é sair desse mundo para um com regras mais divertidas mas no caso do educacional a proposta é justamente trazer algo do "mundinho" para nossas vidas, outra coisa que difere é a importância pois ninguém adiciona o final do Super Mario ao histórico na vida mas se você é um PHD nos educacionais seu currículo valera milhões.
 
Existem muitos jogos mas bem poucos podem ser classificados como educativos infelizmente, não que Final Fantasy tenha bem menos conteúdo que Meu pé de Laranja Lima mas infelizmente nosso governo não esta aberto a admitir o valor deles o que é uma verdadeira bosta. Jogos mais mecanizados com tarefas educacionais mais simples ou "diretas" tem mais facilidades em ganhar essa classificação como Typing of the Dead que é uma mistura de jogo de zumbi com manual de datilografia, ou Tetris e Puyo Puyo serem usado pra acelerar a atividade cerebral. 





JOGO NÃO É CULTURA? TOMA ESSA MINISTRA CEGA!



Há também o fato que hoje em dia nem todo o jogo é realmente ou somente um software e sim uma especie de livro digital como a serie Ace Atorney ou os visual novels japoneses onde existem sequencias logicas pre programadas para se avançar na historia não sendo realmente um "jogo" com toda a natureza lúdica...



...
Complicou né pessoal? 
...Como sair dessa?
Vamos assim então...jogos você joga enquanto livros você lê, então se você esta apenas lendo um programa ele não esta realmente agindo como um jogo (certo?) na minha opinião pelo menos funciona assim e vocês? Os rpgs mesmo com alto teor de leitura não deixam a peteca da jogabilidade cair portanto eles são um meio termo entre um e o outro muito bom.

Por hora é só isso e se for pra se educar seja de forma competente não fique recluso apenas no game, produza algo, brinque e viva ao máximo.