terça-feira, 28 de abril de 2015

O AMANTE





Todos os dias nós mudamos , a pessoa que você foi ontem amanhã não existira e sera algo totalmente novo, eu pessoalmente sempre vivi como um homem direito e nunca imaginei o que a vida me reservava. Antes de mais nada permitam eu me apresentar meu nome é Miguel e eu sou o que a juventude chamaria de tiozinho, sempre fui um cara correto, católico temente a Deus do tipo que nunca vai realizar algo grande na vida.
Tudo começou num dia simples no escritório onde eu trabalho atendendo a reclamações de uma serie de clientes, entre um clique e outro posso me conectar a uma rede oculta num servidor secundário aberto aos visitantes.
Todos os dias eu entrava nas redes sociais para teclar procurando companhia para passar o tempo ate que um dia eu encontre ela.

??? – E ai pessoal o que vão fazer hoje?
555 – Não sei que tal tomar umas biritas?
&&& - Não posso tenho trabalho amanhã
555 – Pena , queria fazer algo hoje...algo diferente.
444 – Quem sabe possamos fazer algo só nos 2
555 – O que sugere?
444 – Bem eu tenho um quarto discreto e confortável...
555 – Olha que eu aceito.

Depois disso ela saiu do grupo e me chamou no privado.
555- Vai me esperar mesmo?
444 – Que horas você ta livre?
555 – Depois das 6...vamos pra sua casa?
444 – Não da...mas é um lugar discreto.
555 – Você é casado?

Disse que sim esperando o pior mas para minha surpresa um milagre aconteceu
555 – Não tem perigo dela descobrir?
444 – Não, sem problemas.
555 - Espero que sim, beijos.

Horas depois la estava eu esperando pacientemente a chegada dela pensando se era serio mesmo que ela iria topar, já tinha um tempo que não saia num encontro desde que conhecera minha esposa estava nervoso. De repente 5 minutos depois do horário pronto para ir embora o telefone toca com uma suave voz feminina no outro lado da linha.

??? – Você esta ai?

Eu não acreditei, tinha encontrado alguém confiante o bastante para aceitar a proposta de um estranho, assim esperei mais um pouco e vi minha recompensa. Sentada numa moto ali estava ela com um short apertado, um corpo magro e esguio e uma camisa fina quase transparente que mostrava bem o sutiã.

Ela desce da moto me encarando e depois diz:

????: Carolina, prazer.
Miguel: O prazer é meu

Carolina: Então...onde fica aquele quarto?
Miguel: Ali nos fundos.

Assim fomos, eu nervoso tremia de tão excitado pois mal podia acreditar no que estava acontecendo, a moça se agarrou em meus braços e puxou meu rosto pedindo um beijo. Com gosto suave e delicado a língua dela massageava a minha lentamente, depois disso disse “Calma, ok” e eu a conduzi ate um cubículo 6x6 metros com uma cama e alguns livros no fundo do meu trabalho.
O quarto era usado durante o dia para descanso de doentes ocasionais mas durante a noite apenas eu e o vigilante tínhamos acesso, como era um conhecido vez ou outra usava o lugar para ficar ate tarde.


Ela deixou a bolsa no lado e olhando para mim sorriu, desliguei a luz e o lugar todo ficou escuro assim com exceção de um persiana por onde a luz da lua entrava. Deslizei a mão por todo o corpo dela aproveitando para lamber o pescoço, ela passava a mão na minha barba enquanto agarrava meu pênis por cima das calças, íamos nos beijando e logo eu estava nú com ela apenas protegida por uma delicada calcinha de seda.

Miguel: Posso te beijar?
Carolina: Pode

Tirei a ultima peça de roupa e ainda de pé dei uma lambida no seu sexo como uma criança que se afunda numa fruta doce, ela gemia enquanto meus braços a desciam de costas na cama. Conforme ia lambendo sua boca vinha de encontro a minha segunda cabeça e trocamos beijos molhados por alguns minutos nos conhecendo.

Depois disso nos olhamos nos olhos e nos unimos como homem e mulher, a cada posição nova realizávamos nossos desejos mais carnais como se nos conhecêssemos há anos. Depois duas horas apenas caímos cansados na cama e sorrimos suados, enquanto ela se vestia olhava cada detalhe do corpo dela buscando o máximo de opinião sobre a mulher que dividira a cama comigo.

Ela olhou e sorrindo perguntou:

Caroline: Você é novo nisso?
Miguel: Desde que me casei você foi a primeiro mulher que traio minha esposa.
Caroline: Que honra nossa.

Ambos sorrimos como duas crianças, depois disso tomamos um suco e conversamos nos conhecendo, quando perguntei sobre por quê ela veio ignorando o risco ela disse que poucos homens são tão sinceros então eu devia valer algo. Assim nos despedimos mas aquela não seria a ultima vez que nos veríamos.